UTI do Hospital da Mulher tem gestão de qualidade certificada pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira

A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital da Mulher gerencia seus indicadores de qualidade e desempenho conforme a Resolução da Diretoria Colegiada Nº 7 da ANVISA (RDC – 7).  A certificação, emitida pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), significa que as características epidemiológicas e clínicas das pacientes admitidas na unidade, assim como os procedimentos executados, uso de antibióticos e taxa de infecção, são registrados com a notificação devida.

Conforme o coordenador médico da UTI, Dimitri Gusmão, a gestão destas informações permite melhorar a eficiência do atendimento hospitalar e a segurança das pacientes. “Nossa equipe é motivada, cuidadosa e focada na assistência aos pacientes e familiares. Esta certificação mostra para a equipe que estamos no caminho certo”, afirma.

“Além desta certificação, é importante ressaltar que temos uma assistência técnica e humanizada, executada por uma equipe multidisciplinar composta exclusivamente por especialistas em terapia intensiva”, acrescenta Gusmão.

Captação

Através da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT), a UTI do Hospital da Mulher realiza captações de córneas após a decisão de familiares de pacientes. Desde a sua implantação, em junho de 2017, a CIDOHTT já realizou 13 captações de córneas.
A doação só é possível com o consentimento familiar do doador. Para isso, após a constatação da morte e seguidos os requisitos para o processo de doação, os familiares são informados sobre o óbito da paciente e recebem apoio emocional de uma equipe especializada que oferece a possibilidade de doação dos órgãos.

“Muitos pacientes ainda precisam e aguardam na fila de transplante. Com esse ato de amor, conseguimos diminuir esta espera e ajudar quem precisa”, afirma a presidente da CIHDOTT do Hospital da Mulher, Aline Botelho.
Atualmente, cerca de 700 pacientes aguardam por um transplante de córneas na fila única. Para se tornar um doador de órgãos, é necessário ter entre dois e 70 anos e não é necessário registrar por escrito. Basta conversar com a família e deixá-la ciente do desejo. Mais informações sobre doação e transplante de órgãos e tecidos podem ser obtidas através do site www.saude.ba.gov.br/transplantes.

 

Fale Conosco

Rua Lucaia, Edf. Professor Jorge Novis – Sobreloja, Sala 501, n° 337, Rio Vermelho – Salvador, Bahia